Pular para conteúdo

Aquarela - Geraldo Jurgensen

R$ 1.320,00

Ano: Paris - 1978
Medidas: 38 cm X 28 cm
Avaliação: pequenas manchas amareladas, sem moldura.


Sobre o artista

Geraldo Mayer Jürgensen, nascido em 1927 em Campinas/SP, onde veio a falecer em 1993. Iniciou-se nas artes plásticas como aquarelista, já em 1946, então com 19 anos começa sua carreira artística plástica, tendo participado do "IV Salão de Belas Artes de Campinas/SP, recebendo então o Premio Prefeitura Municipal.

Fez Arquitetura na Faculdade Nacional de Arquitetura da Universidade do Brasil no Rio de Janeiro/RJ, onde entrou em contato com as novas idéias sobre arte moderna; formou-se em 1957. Porém, antes, em 1956 fez sua primeira individual no Espaço Cultural da Faculdade de Arquitetura do Rio de Janeiro/RJ.

Retorna, então, para Campinas/SP e procura reunir os artistas da cidade que já praticavam uma arte "modernista", agita e consegue a realização do "I Salão de Arte Contemporânea de Campinas/SP". Em 1958 faz parte do grupo inicial de artistas que fundam o Grupo Vanguarda, com o Grupo e sem abandonar suas atividades artísticas plásticas particulares, começa uma meteórica carreira, que traduzida em números somam-se centenas de participação em Salões Oficiais, exposições individuais, exposições coletivas, premiações, trabalhos cenográficos, projetos arquitetônicos de monumentos e outras atividades artísticas, que se valorizam não só pelo número de participações como pela qualidade dos eventos de que participou.

Podemos destacar, neste período as seguintes participações: 1946, 1957 e 1958 - Salão de Belas Artes de Campinas/SP; 1953 - Salão de Belas Artes do Rio de Janeiro/RJ; 1959 - Salão do Jornal a Folha de São Paulo, Premio Leiner; 1962, 1966 e 1975 - Salão Paulista de Arte Moderna; 1966, 1967 e 1971 – Salão de Arte Contemporânea de Campinas/SP; 1968 - X Bienal de São Paulo, Premiado; e muitos outros Salões e Eventos Oficiais. Começou como aquarelista, era hábil desenhista, pintor expressionista de traço solto e irretocável, dominou e inovou na técnica e no material da escultura modernista, em 1962 foi laureado com o Premio Governador do Estado no "XI Salão Paulista de Arte Moderna", com uma escultura em tela de arame em formas vazadas.

De temperamento inquieto explorou inúmeras atividades como a arquitetura, a escultura com arames, com sucatas de ferro, tapeçarias de retalhos de couro, jóias em sucatas de ferro, objetos de acrílico com peças da Bosch, objetos móbiles em aço inoxidável, cerâmica, alem da pintura em aquarela, óleo, acrílico e outras técnicas. Geraldo Jürgensen foi sem sombra de duvidas o mais eclético artista plástico da geração do Grupo Vanguarda, uma rara unidade como artista plástico pesquisador e questionador.
Fonte"http://www.fundacaojurgensen.com.br/